Nossos Horários

Domingo

  • 08h30 Reunião de Oração
  • 09h00 Escola Dominical
  • 10h30 Culto da Manhã

Terça-Feira

  • 20h Reunião de Oração

Quarta-Feira

  • 08h30 Jejum e Oração

Quinta-Feira

  • 20h Estudo da Palavra

Santa Ceia

  • 1º Domingo do mês
  • 3º Domingo do mês

Leitura Bíblica

DOM

10 NOV

Josué

0

SEG

11 NOV

II Coríntios

0

TER

12 NOV

Levítico

0

QUA

13 NOV

Hebreus

0

QUI

14 NOV

Mateus

0

SEX

15 NOV

João

0

SÁB

16 NOV

Ezequiel

0

Sociedades do Bosque

Curta nossa página no Facebook

Editoriais

“E eu olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro seres viventes, e no meio dos anciãos UM CORDEIRO EM PÉ, como se estivesse sido morto; tendo SETE CHIFRES E SETE OLHOS, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra.” Ap 5:6

O Livro do Apocalipse narra a História da Glorificação de JESUS.

Nossa história começa no capítulo 4, onde o apóstolo João tem um redimensionamento espiritual, no verso 1, ele ouve uma voz como de trombeta chamando-o para cima e, imediatamente ele se encontra em espírito no céu, é arrebatado para o céu e vê um trono, Aquele que está assentado no trono, vê também o círculo mais próximo do trono formado por 4 seres viventes que adoram a Deus todo o tempo dizendo: SANTO, SANTO, SANTO, Senhor Deus Todo-poderoso, que era, que é e que há de vir. Estes seres viventes são os guardiões da Santidade de Deus, também tipificam os Evangelhos: Um tem cara de Leão – Rei – Evangelho de Mateus fala de Jesus como Rei; o segundo tem a cara de um bezerro, bezerro é um animal de serviço – Evangelho de Marcos – apresenta Jesus como Servo que deu a Sua vida por nós; o terceiro ser vivente tem cara de Homem – Evangelho de Lucas que apresenta Jesus como o Filho do Homem; o quarto ser vivente tem cara de Águia quando está voando – Evangelho de João que é conhecido como o evangelista com a visão da águia quando voa, pois apresenta Jesus como o mais alto Soberano, Senhor da História. Os vinte e quatro anciãos não são anjos, são seres celestiais guardiões da Justiça de Deus, tipificam os 12 Patriarcas do Antigo Testamento e os 12 Apóstolos do Novo Testamento.

Cenário montado no capítulo 4, o capítulo 5 traz o acontecimento principal: A Glorificação do Cordeiro que foi morto, que também é Leão da Tribo de Judá, que toma o Livro selado por 7 selos da mão Daquele que está assentado no trono e passa a reinar sobre o universo. Depois que o Cordeiro toma o Livro que ninguém no céu, sobre a terra, debaixo da terra podia tomar, vemos declaradas TRÊS BELÍSSIMAS PALAVRAS DE LOUVOR AO CORDEIRO QUE TEM O LIVRO: 1) Versos 9 e 10 – Os 4 seres viventes e os 24 anciãos cantam uma nova canção; 2) Versos 11 e 12 todos os anjos do céu entoam louvores; 3) Versos 13 e 14 – Cada criatura no céu, na terra, debaixo da terra, no mar e tudo o que neles há rendem louvor Àquele que venceu.  O Sacrifício de Jesus na Cruz era a única possibilidade de salvação para nós e a obediência perfeita ao Pai. A Cristo, Todo o Louvor de todo o Universo!

Reverendo Cezar de Oliveira

“O Senhor seja louvado! Pois clamei a Deus por livramento e estou salvo dos meus inimigos.” Salmos 18:3 Versão King James Atualizada

Louvor significa Elogio. Você costuma elogiar as pessoas que te cercam, você consegue enxergar habilidades em seu filho ou filha, sua esposa, seu esposo, você consegue ver características positivas nos seus pais? Pois é, o elogio faz bem à alma, anima, nos faz enxergar coisas em nós que ainda não tínhamos visto, até porque, existem características em nós que não conseguimos perceber com clareza, mas as pessoas com quem convivemos conseguem. Elogie mais, reconheça a diferença que seus familiares e amigos fazem na sua vida e diga isto para eles.

O Salmista reconhece a bondade e a misericórdia com as quais Deus o trata, ele O louva pela oração respondida, pelo livramento dos seus inimigos. Você sabe o que é louvar a Deus de todo o coração, de toda a sua alma? É um reconhecimento verdadeiro que vem da experiência que temos com Ele, se caminhamos com Deus, se no nosso dia a dia Ele está presente, certamente já experimentamos Seu livramento, fomos alvos de Sua proteção e vimos a bondosa mão do Senhor agindo sobre nós. Digo isto, pois, na maior parte do tempo, louvamos a Deus com a nossa intelectualidade, aprendemos que Deus é bom, sabemos que Ele é o nosso socorro, mas algo diametralmente diferente, é afirmar como o Salmista: O Senhor seja louvado! Pois clamei e fui livrado dos meus inimigos. Ele viveu esta história, experimentou os temores de ser confrontado por inimigos mais fortes do que ele, contra os quais não conseguiria lutar, ele passou pelo vale da sombra da morte, mas foi livrado. A experiência de livramento, de ver no nosso cotidiano a boa mão do Senhor sobre nós, nos leva a Louvá-Lo de todo o coração. Neste mês de Novembro, você será incentivado a louvar  a Deus de todo o coração, um louvor que nos liberta dos nossos medos e ansiedades, um louvor que nos aproxima de Deus, um louvor que é uma arma de vitória, que nos tira do ostracismo e da prostração, um louvor que revela nossa intimidade com Deus e mostra a todos em Quem temos crido. Louve a Deus em face do amor e gratidão que você tem por Ele.

Reverendo Cezar de Oliveira

“E, eles não podendo aproximar-se Dele, por causa da multidão, destaparam o telhado onde estava; e, fazendo uma abertura, eles baixaram o leito onde estava deitado o paralítico.” Evangelho de Jesus segundo Marcos 2:4

Estamos no primeiro Evangelho, escrito por Marcos, filho de Maria, sobrinho de Barnabé, em cuja casa os discípulos se reuniram com certa frequência, inclusive na última ceia (João 13 e 14). Marcos estava com Pedro em Roma pouco antes do martírio dele, quando registrou todas as pregações de Pedro sobre o ministério de Jesus.

O texto em epígrafe faz parte do início do ministério de Jesus na Galileia, quando voltou para a casa do apóstolo Pedro, onde ficava quando estava na Galileia, lembrando que Jesus morou em Nazaré antes de começar seu ministério público.

Esta cura é o primeiro de cinco milagres que questionam a autoridade de Jesus. Aqui, os escribas acusam Jesus de blasfemo, ao dizer ao paralítico: “Filho, perdoados são os teus pecados.” Esta acusação foi a que baseou o julgamento mentiroso ao qual Jesus foi submetido, condenado e entregue a Pilatos para ser crucificado.

A casa de Pedro estava cheia de tal forma que ninguém conseguia aproximar-se sequer da porta. Os extraordinários amigos do paralítico, não se intimidaram com as dificuldades, criam tanto que Jesus poderia curar seu amigo, amavam tanto o seu amigo que, destelharam a casa, quebraram o barro, baixaram o paralítico que estava numa maca de transporte de enfermo de uma pessoa pobre. Jesus vendo a fé (leia-se esforço, vontade, persistência) dos amigos, curou o paralítico que saiu da casa de Pedro andando e carregando o seu leito.

O que você é capaz de fazer para levar seus familiares e amigos aos pés de Jesus? Você crê de verdade em Jesus, que Ele pode curar e transformar seus familiares e amigos? Você ama de verdade seus familiares e amigos? Os amigos do paralítico carregaram-no para a laje, quebraram a laje exatamente no lugar que era possível coloca-lo diante de Jesus. O esforço, persistência, a fé deles foi vista por Jesus, que atendeu a oração do coração dos amigos e o milagre aconteceu.

Esta é uma história excepcional sobre a amizade, Autoridade do Filho de Deus e da maldade dos homens que não conseguem crer em Jesus como Messias. O que você vai fazer?

Reverendo Cezar de Oliveira

“Quando Ele desceu do monte, grandes multidões O seguiam. E, eis que veio um leproso, e O adorou, dizendo: Senhor, se Tu queres, podes limpar-me.” Evangelho de JESUS segundo Mateus 8:1 e 2

Jesus Cristo estava no monte, onde acabara de ministrar o seu sermão mais famoso, o Sermão do Monte. Depois que desceu do monte uma grande multidão o seguia e, do meio da multidão saiu um leproso e apresentou-se a Jesus, ajoelhando-se diante Dele, suplicou: Se queres, Tu podes purificar-me. Jesus o curou.

Quando a Reforma Protestante nos colocou novamente diante das Escrituras Sagradas, foi exatamente porque as Escrituras nos revelam a JESUS CRISTO, em todo o seu amor e bondade.

Quero compartilhar com vocês alguns detalhes tanto do leproso quanto da atitude do nosso Senhor.

Em primeiro lugar, observe que o leproso sai da multidão que seguia a Jesus. O leproso deveria estar totalmente coberto de roupas, pois a Lei proibia aos portadores de lepra estarem próximos das pessoas, muito menos no meio da multidão. O leproso teve coragem de entrar no meio da multidão e sair na hora certa para apresentar-se a Jesus. Na multidão, é possível nos esconder de muitas coisas, é um lugar que evita que enfrentemos nossas sombras, quem realmente somos e nos mistura a outros.

Você tem coragem de sair da multidão e mostrar quem realmente você é, sem máscaras, para se apresentar a Jesus?

O leproso achega-se a Jesus de forma humilde e temerosa, ele diz: Se queres, podes curar-me, indicando a possibilidade de ele ter sido rejeitado em ter sido enxotado da presença de outras pessoas que procurou.

O leproso manifesta respeito e obediência à vontade soberana de Jesus Cristo, quando diz:  se queres.

O leproso manifesta fé no poder de cura do Senhor, do Kirios tradução grega de YHAVEH do hebraico.

JESUS, por sua vez, estendeu a mão para o leproso. Você sabe o que isto significa? Ninguém sequer se aproximava de um leproso, Jesus estendeu a mão para ele. Jesus tocou o leproso, com estes gestos, Jesus estava curando a vida emocional do leproso, depois de todo o isolamento e rejeição sofridos por ele.

Depois disto, Jesus ministra ao leprosos a cura física através de uma Palavra: Quero, fica limpo! Imediatamente a lepra retirou-se dele.

Reverendo Cezar de Oliveira

“Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras aos nossos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a Quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.” Carta Geral aos Hebreus 1: 1 e 2

Este mês comemoramos 502 anos do Movimento de Reforma Protestante, ocorrido em 31 de Outubro de 1517, quando o monge agostiniano Martinho Lutero (1483-1546), irritado com o Bispo Católico Johann Tétzel, que promovia um grande saldão de indulgências (venda de perdão de pecados, extinção da punição em vida ou na morte), o que irritou de vez o monge, levando-o ao confronto com a autoridade da igreja católica, afixando na porta da Igreja de Wittenberg, na Alemanha, suas famosas 95 teses. Assim, começou a reforma que rapidamente se estendeu por toda o país.

Se o Monge Martinho Lutero foi quem deu o pontapé inicial na Reforma, o Teólogo Francês João Calvino (1509 – 1564), a institucionalizou, escrevendo as bases doutrinárias, a internacionalizou promovendo a sua expansão. Calvino era católico até os 24 anos, quando se converteu ao protestantismo. Foi perseguido na França, que não abraçou a Reforma, e fugiu para Genebra, na Suíça, onde mais tarde se tornou prefeito. Calvino deu acolhida em Genebra a todas as pessoas de todas as nacionalidades que se convertiam ao protestantismo e eram perseguidas em seu país de origem. Em Genebra, as pessoas eram discipuladas, e voltavam aos seus países como missionários, ganhando muitos outros para Cristo. Esta migração para Genebra foi tão grande que a cidade dobrou a sua população em poucos anos, causando muitos problemas sociais que tiveram que ser resolvidos pelo Reformador.

Calvino escreveu um comentário da Carta aos Hebreus, dedicando-o ao Rei da Polônia, Sigismundo II, o que fez com que o rei abrisse seu país para a Reforma Protestante. O interessante é que Sigismundo II não chegou a se converter ao protestantismo, continuou sendo católico, mas abriu a Polônia para a pregação da Palavra e o estabelecimento de Congregações protestantes.

A Carta Geral aos Hebreus é a única na Palavra que exalta Cristo como Sumo Sacerdote que penetrou os céus, fazendo a remissão dos nossos pecados de uma única vez, sendo exaltado, assentando-se à Destra do Todo-Poderoso. Por isso, ela foi tão importante na Reforma.

Reverendo Cezar de Oliveira

Mensagens

João 20: 1 a 10
Rev. Cezar Santos de Oliveira
06 de Novembro de 2019
João 20: 10 a 18
Rev. Cezar Santos de Oliveira
07 de Novembro de 2019
João 20: 19 a 23 - parte I
Rev. Cezar Santos de Oliveira
08 de Novembro de 2019
João 20: 19 a 23 - parte II
Rev. Cezar Santos de Oliveira
11 de Novembro de 2019
João 20: 24 e 25
Rev. Cezar Santos de Oliveira
12 de Novembro de 2019

Organização

Rev. Cezar Santos de Oliveira
Pastor
Antônio de Souza Júnior
Presbítero
Maurício Leal Araújo
Presbítero
Roberto Ferreira Campos
Presbítero
Célio Moura
Diácono
Jorgelino Oliveira
Diácono
Josias Silva
Diácono
Marcelo Barreto
Diácono
Paulo Dias
Diácono
Paulo Vicente
Diácono
Rodrigo Xavier
Diácono
Diney Dantas
Auxiliar de Diaconia
Lucília Silva
Auxiliar de Diaconia

Organização

Rev. Cezar Santos de Oliveira
Pastor
Antônio de Souza Júnior
Presbítero
Maurício Leal Araújo
Presbítero
Roberto Ferreira Campos
Presbítero
Célio Moura
Diácono
Jorgelino Oliveira
Diácono
Josias Silva
Diácono
Marcelo Barreto
Diácono
Paulo Dias
Diácono
Paulo Vicente
Diácono
Rodrigo Xavier
Diácono
Diney Dantas
Auxiliar de Diaconia
Lucília Silva
Auxiliar de Diaconia
Endereço
  • Est. de Jacarepaguá, 6824 - loja A
  • Freguesia - Rio de Janeiro - RJ
  • CEP: 22753-034
Contato
  • (21) 2436-3500
  • ipbosquedafreguesia@gmail.com